domingo, 19 de dezembro de 2010

Geni...a heroína da vez!

Sempre tive uma grande paixão pelas músicas do Chico Buarque, o homem é bom até dormindo. Compõe, escreve, joga bola, corre em Copa, tem predicativos que poucos homens tem, e esse lado literário dele é o que dá mais tesão, mas não foi bem nisso que pensei quando resolvi criar esse post.
De todas as criações do Chico, uma sempre me encantou: Geni e o Zepelin. Não por ela ser uma mulher da vida, ou por causa da sua triste vida numa cidade cheia de hipócritas - afinal, eles recorrem a ela quando o grande Zepelin chega. Mas pela força e interpretação que a canção tem. Pela força que ela mostra que toda mulher tem.
Geni é a nossa heroína, Geni é a quebra-galho, Geni é a LBV do mundo de Chico Buarque, e me lembrando de alguns fatos que ocorreram em minha vida nos últimos meses...eu meio que sorri com a vida de Geni, com o destino dela....e com aquela cidade.

"Um dia surgiu, brilhante
Entre as nuvens, flutuante,
Um enorme zepelim.
Pairou sobre os edifícios,
Abriu dois mil orifícios
Com dois mil canhões assim.
A cidade apavorada
Se quedou paralisada
Pronta pra virar geléia,
Mas do zepelim gigante
Desceu o seu comandante
Dizendo: "Mudei de idéia!
Quando vi nesta cidade
Tanto horror e iniqüidade,
Resolvi tudo explodir,
Mas posso evitar o drama
Se aquela formosa dama
Esta noite me servir".

- Não, não, eu não dou para qualquer um, me tem quem me merece, mesmo que seja por um dia só, mesmo que seja meia hora, o importante é que esse dia seja merecido, tenha sido gostoso e rico de vida, visões, tatos, paladares e olfato...Essas novas sensações que nunca se acabam, e penso nisso porque outro dia, ouvi de uma boca que vivendo do jeito que vivo não se sabe aonde vou parar...
Achei engraçado isso. Aonde vou parar?? De que importa o lugar, se Eu vivo, se eu Amo, se eu proclamo e sinto isso na pele, sinto a vida ser usada e abusada por mim da forma como eu sempre sonhei...sem fronteiras, sem proibições...sem magoar ninguém!!! Ai volto para Geni, a minha heróina de hoje e:

"Mas de fato, logo ela,
Tão coitada e tão singela
Cativara o forasteiro.
O guerreiro tão vistoso,
Tão temido e poderoso
Era dela, prisioneiro.
Acontece que a donzela
(E isso era segredo dela),
Também tinha seus caprichos
E ao deitar com homem tão nobre,
Tão cheirando a brilho e a cobre,
Preferia amar com os bichos.
Ao ouvir tal heresia
A cidade em romaria
Foi beijar a sua mão:
O prefeito de joelhos,
O bispo de olhos vermelhos
E o banqueiro com um milhão."

O mais engraçado é que a história faz sentido. Fez sentido...E lá foi a heroína mostrar o seu poder..:
"Foram tantos os pedidos,
Tão sinceros, tão sentidos,
Que ela dominou seu asco.
Nessa noite lancinante
Entregou-se a tal amante
Como quem dá-se ao carrasco.
Ele fez tanta sujeira,
Lambuzou-se a noite inteira
Até ficar saciado
E nem bem amanhecia
Partiu numa nuvem fria
Com seu zepelim prateado.
Num suspiro aliviado
Ela se virou de lado
E tentou até sorrir,
Mas logo raiou o dia
E a cidade em cantoria
Não deixou ela dormir:.."
Adorável Sedutora*

3 comentários:

Alessandra Lameira disse...

É amiga...te admiro porque apesar de muitas coisas...vc é uma verdadeira heroína, guerreira e tem bom coração, pois faz ações da LBV e não cobras nada. rsrrsrs

Ewerton disse...

Falando em Chico e lendo teu raciocínio em cima de "Geni"...te ví em outra música de Chico: Olhos nos olhos....Que drama..olha só ela deixando o cara sem o menor recentimento..tsctsc...sem culpa...e quando "ela" diz: "quantos homens me amaram bem mais e melhor que você" PQP!!

Mapleise disse...

É Chico é fera quando traz suas canções de amigo, aquelas trovadorescas...
Essa frase é linda mesmo: Quantos homens me amaram, bem mais e melhor que você!!!