domingo, 4 de abril de 2010

As aventuras de Luke e Tantra II

Risos...essas super noitadas de Luke e Tantra sempre trazem esse tipo de surpresas, tanto para uma quanto para a outra. Se de repente aparecer uma barca cheia de gente, em pleno Rio Amazonas nos convidando para uma volta, é claro que não vai sair um não da nossa boca...

E é ai que está a graça da vida, num sábado de Aleluia, resolvemos pular para o bar vizinho depois de darmos com a cara na porta do nosso preferido buteco na esquina do Rio Mais Belo, gente demais, cadeira de menos nos obrigou a curtir outro som, outro lugar onde já fomos felizes anteriormente.

Foi engraçado, alguns momentos as mesmas caras, em outros gente nova, e todas aquelas músicas que sempre fizeram parte da nossa trilha sonora tocando. Não há como enjoar de ouvir Legião Urbana, Engenheiros do Hawai, Nenhum de Nós, Nirvana, Gun’s Roses, e até outros nomes bem atuais...enlouquecendo a gente, revirando por dentro, e nos fazendo relembrar dos outros momentos, em outras etapas da vida...
"..ontem a noite, eu conheci uma guria, já era tarde, era quase dia...era o princípio do precípio..."

Não podemos dizer que o sábado não foi bem aproveitado, um sábado diferente é sempre bem vindo, continuamos com nosso papel de super-mulheres, em noitadas como as nossas onde somos guerreiras não podemos fraquejar, e aconteceu o que aconteceu...risos
"ohoh ohohoh...Caught in a bad romance...
Rah-rah-ah-ah-ah-ah!
Rama-ramama-ah
GaGa-ooh-la-la!
Want your bad romance..."
Fantasmas surgindo da penumbra (não, não estávamos drogadas, apenas levemente alcoolizadas, mas não me lembro de ouvir dizer ou haver diagnóstico em que o álcool te traga visões)...e estavam vivos, após inúmeras mensagens informando sobre a morte, risos, coisas de seres fracos de espírito, cometedores de tantos erros que até na hora de um simples oi, a coragem vai embora...
"Ela adora me fazer de otário, para entre amigas ter o que falar
É a onda da paixão paranóica, praticando sexo como jogo de azar..."

Fomos embora, a noite estava boa, mas era hora das crianças irem para casa, era hora de descansar o corpo para o almoço da Páscoa, e eis que no "meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra o meio do caminho", e a pedra de tão vermelha chamou nossa atenção, todavia, nossa investigação não ganhou tanto sucesso....a vida continua.

5 comentários:

Alessandra Lameira disse...

esse nosso jeito autossuficiente é que mata a gente! kkkkkkkkkkk
é amiga...como sempre falo:
Que os nossos sejam nossos;
que os delas sejam nosso;
Que os nossos NÃO sejam delas e
Que se forem, que broxem!

E que a fonte nunca seque!

Beijos

Mapleise disse...

Risos, não direi Amém, em respeito a Ele..., em quem eu acredito e creio...mas direi AVE...rs

Juliana Pires disse...

Que sábado bom esse!!!
O importante é estar aonde a gente gosta!

Beijos

Ivane Ramos disse...

Certíssima Ju...nota dez!!! na sua definição.

Anônimo disse...

Opa. tá movimentado as coisas por aqui!!