sábado, 27 de março de 2010

Renato Russo completaria hoje 50 anos

por Renata Prado, redação ONNE
“É tão estranho, os bons morrem jovens...” o hit Love in The Afternoon, composto por Renato Russo para sua banda Legião Urbana, hoje descreve sua própria trajetória e alimenta a saudade de seus milhares de fãs.
Renato Mandredini Júnior nasceu em 27 de março de 1960 no Rio de Janeiro. O cantor e compositor, que embalou multidões ao som de Pais e Filhos, completaria 50 anos em 2010.
onhecido como Renato Russo, uma maneira que o músico encontrou de homenagear Jean-Jacques Rousseau e Bertrand Russel, o carioca, que passou sua adolescência em Brasília, é considerado um dos mais importantes compositores do rock nacional.
Renato, suas canções e indignações ficaram conhecidos a partir de 1978 por meio de sua primeira banda, Aborto Elétrico, que durou 4 anos e deu origem ao conjunto de Dinho Ouro Preto, Capital Inicial. Por conta desta experiência, e da influência de Sex Pistols, o cantor adquiriu uma forte tendência punk.
Mas foi em 1982 que Renato deu o maior passo para a história da música nacional com a formação da Legião Urbana, ao lado de Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá. O primeiro CD contava com o baixista Renato Rocha em sua composição. Com um estilo musical mais próximo do pop rock a banda se popularizou e embalou toda uma geração de adolescentes com Eduardo e Mônica, Índios e com a ironia bem elaborada de Faroeste Caboclo e Perfeição.
Com um repertório rico e de grande conhecimento geral, as músicas da banda traziam trechos Bíblicos, referências ao poeta nacional Cazuza, Beatles, Camões e, mais importante que isso, traduzia o sentimento de dor, euforia e a busca por um lugar no mundo, típico de toda juventude. Literalmente Renato guiou uma Legião. 
Dono de uma personalidade forte e conflitante, o músico demonstrava toda sua fúria em palavras fortes e atitudes polêmicas no palco. Renato brigava com o público, cantava o que queria e quando queria e admitiu inúmeras vezes que compunha o que sentia, ser popular foi só uma consequência. 
Entre os episódios marcantes de seus shows estão o do estádio Mané Garrincha, em Brasília, em 1988, quando Renato deixou o palco irritado com o atraso para o início do show e com a desordem do público que depredou o estádio deixando 500 pessoas feridas; e em 1995, em Santos, quando o cantor foi atingido por uma latinha e permaneceu deitado no palco por 45 minutos. Foi a última apresentação da banda.
Sua ousadia não se resumiu aos palcos. Aos 18 anos, Renato assumiu para sua mãe sua bissexualidade e em, 1988, em uma atitude, na época extrema, assumiu publicamente. Entre suas paixões está o músico norteamericano Robert Scott Hickman, conhecido como o grande amor de sua vida.
Mas o maior amor da vida do compositor estava por vir. Giuliano Mandredini, único filho do cantor, é fruto de um caso discreto e relâmpago. Hoje, aos 20 anos, Giuliano, criado por sua mãe desde a morte de Renato, trabalha como artista e produtor musical.
O polêmico, culto, irreverente e irado Renato Russo faleceu em 11 de outubro de 1996 em seu apartamento na zona sul do Rio de Janeiro vítima de complicações do vírus HIV. Com apenas 45 quilos, debilitado, jovem, inconstante, sensível e corajoso... Completamente Renato!
 

2 comentários:

Juliana Pires disse...

Grande Renato Russo. Ele faz muita falta na música brasileira.

Beijos

Ivane disse...

Só um adendo...salvo engano, o sobrenome de Renato é ManFredini, de origem italiana...