sexta-feira, 11 de março de 2011

O dia em de deixei de ser romântica


Hoje, na minha era balzaquiana, posso falar que estou na minha fase menos romântica. Por quê?  Não sei. Não adiante botar culpa nos homens e nem nas desilusões que já vivi. São circunstâncias.
E por que estou falando de romantismo?
Nesses tempos de dureza, tive um flash back  com um ex-namorado. Na verdade, hoje, mais amigo que ex-namorado. Durante o rala-e-rola, no fim do vamos ver, ele veio com um frase, que me fez cair na gargalhada (internamente): - Pensei que seria mais romântico!
Veja bem, nada contra o romantismo, mas naquela altura, o que eu queria era me divertir.
Não quis retrucar, pois o que pensei: “o romantismo que vem de mim, só verá quem eu quiser, que for merecedor”. Egoísmo? Pode ser. Mas prefiro não desperdiçar os meus dotes amorosos com algumas aventuras. Quero algo papável, ou seja, algo tangível, real.   
Não posso me comportar agora como se eu estivesse 20 anos de idade. E quando me olho com essa idade, vejo como era chata. Hoje sei me divertir mais.
Então, você que fica questionando o meu lado romântica de ser, por que não se diverti comigo e o meu lado mais alegre?

Um comentário:

Ivane disse...

O momento balzaquiana de ser é um dos melhores da nossa vida feminina. É nele que a gente se toca das coisas que deveria ter aproveitado mais e deixou passar em branco...
Viva as balzacas...viva nós!!!